Tempo de Leitura: 4 minutos

Atenas. Ilhas Gregas. Num primeiro olhar, parecem mundos tão diferentes! De um lado, história e templos, o berço da civilização ocidental. De outro, ilhas paradisíacas, mar em muitos tons de azul, casinhas brancas, cruzeiros. Mas, olhando mais de perto, dá para ver que está tudo conectado.

A história da Grécia Clássica, berço da civilização ocidental, aquela dos filósofos, dos 300 de Esparta, do surgimento das Olimpíadas, que a gente normalmente associa a Atenas, está diretamente ligada à das paradisíacas ilhas gregas.

Mais do que isso. Foi exatamente nelas, mais precisamente na ilha de Creta, que tudo começou.

Esse post é o primeiro de uma série, em que vou fazer um resumo de cinco mil anos de história desse pais fantástico, formado por mais de 2.000 ilhas e um território continental no sul do Balcãs.

A gente vai começar, nesse post, pela ilha de Creta, centro da mais antiga grande civilização da Europa.

Ela atingiu seu apogeu em torno de 1950 A.C.. E é cenário de um dos mais famosos mitos gregos: o Minotauro.

A Civilização Minóica

Creta é a maior das mais de 2.000 ilhas que compõem o atual território da Grécia e a quinta maior do Mediterrâneo. Ela é habitada desde o ano 6.000 A.C. e acredita-se que seus primeiros habitantes vieram da Turquia.

Foi em Creta que surgiu a primeira grande civilização europeia, a minóica, em torno de 2.000 A.C.. Foi nessa época que começaram a ser construídos palácios, como o de Cnossos.

knossos-palace-1567948-639x422FreeImages.com/Irina Jurinac

Eles eram o centro administrativo e religioso das cidades, que se desenvolviam ao seu redor.

As cidades de Creta não eram muradas, o que indica que os minóicos eram pacíficos e viviam em harmonia com os vizinhos.

Sua riqueza vinha do comércio marítimo com os povos do Mediterrâneo Oriental, também chamada de região do Levante. É onde ficam hoje Turquia, Síria, Líbano, Israel e Egito.

Eles também desenvolveram dois sistemas de escrita, nenhum deles decifrado até hoje. O primeiro ficou conhecido como “hieróglifos cretenses” e baseava-se em imagens.

O outro, que ficou conhecido como Linear A, era uma linguagem silábica, escrita da esquerda para a direita e que usava símbolos abstratos. Aparentemente, foi ele que deu origem, posteriormente, ao Linear B – que é considerado o mais antigo dialeto do idioma grego.

Mitologia

 

O nome dado a essa civilização vem do rei Minos – e aqui a história se mistura à mitologia. Ele seria filho do maior dos deuses gregos, Zeus, e da princesa fenícia Europa.

Mas Creta ficou mesmo conhecida pela lenda do Minotauro, um ser mitológico com corpo de homem e cabeça de touro.

Conta a lenda que o Minotauro seria filho de Pasiphae, mulher do rei Minos, com um touro branco. É que o deus Poseidon havia mandado o touro para um sacrifício, mas o rei preferiu manter o animal vivo. Como vingança, Poseidon fez com que Pasiphae se apaixonasse pelo touro.

O Minotauro é filho dessa traição. E, por isso, foi preso por Minos dentro de um labirinto gigante, construído embaixo da terra. A criatura era tão feroz, que, quando ele mugia, a terra tremia. E no labirinto o Minotauro ficou.

Enquanto isso, em uma guerra entre Creta e Atenas (que, nessa época, ainda não tinha importância nenhuma), os atenienses mataram um dos filhos do rei Minos.

Para vingar-se, o rei Minos determinou que, de tempos em tempos (a cada 1, 7 ou 9 anos, dependendo da versão da história), a cidade de Atenas deveria enviar 14 jovens, 7 homens e 7 mulheres, para serem devorados pelo Minotauro.

Na terceira vez em que isso aconteceria, Teseu, o príncipe de Atenas, ofereceu-se para ir  entre os jovens e prometeu a seu pai, o rei Egeu, que derrotaria o Minotauro e voltaria para Atenas com todos os outros em breve.

Quando eles chegam em Creta, são recebidos pelo rei Minos e sua corte. Sua filha, Ariadne, apaixona-se por Teseu. E, por isso, na calada da noite, lhe entrega uma espada e um novelo de lã.

Ela ficaria na entrada do labirinto, segurando a ponta do novelo, para que ele fosse capaz de encontrar seu caminho de volta depois de matar o monstro.

Funcionou. Com um golpe da espada, o herói Teseu conseguiu matar o monstro. E, com a ajuda do fio de Ariadne, ele escapou do labirinto junto com os outros jovens que o acompanhavam.

O termo “fio de Ariadne” é até hoje usado como sinônimo para resolução de um problema complexo por meio da exploração de todas as possibilidades.

Acredita-se que a lenda do Minotauro tenha surgido para explicar os tremores de terra na ilha. Esse vídeo do TED-Ed (em inglês, 4 min) fala mais sobre isso e explica por que há tantos terremotos em Creta: só em 2014, foram 1.300 acima de 2.0 na Escala Richter.

Provavelmente foram os terremotos, junto com a chegada de um povo militarizado, os aqueus, que levou ao fim dessa civilização, em torno do ano 1.450 A.C..

Por que incluir Creta no seu roteiro na Grécia?

Ainda há muitos vestígios da civilização minóica na ilha de Creta, sendo o mais importante o palácio de Cnossos.

Outros palácios  também podem ser visitados. Saiba mais sobre eles no site da UNESCO (o conjunto de palácios minóicos espera avaliação para tornar-se Patrimônio Histórico-Cultural da Humanidade).

Visite também o Museu Arqueológico de Heraklion, que é um dos mais importantes da Europa. Ele tem a maior coleção de peças sobre a civilização minóica, incluindo afrescos (pinturas feitas na parede) e um dos mais misteriosos objetos do mundo: o Disco de Phaistos.

Ele é uma pedra de argila com inscrições feitas a cerca de 4.000 anos. São ao todo 242 sinais. Depois de muito mistério, um linguista e um professor de Oxford parecem ter resolvido o mistério. Esse artigo do Huffington Post conta como eles concluíram que o antigo disco pode conter uma oração.

Creta tem também praias paradisíacas. Esse post do blog A Grécia do seu jeito fala de algumas delas. E a comida também é maravilhosa.

Pra quem já está planejando visitar a região, aqui tem dois posts que podem ser úteis. Esse primeiro, do blog Pure Viagem, resume como chegar lá. Também fala dos principais pontos turísticos da ilha.

E esse outro, da National Geographic, tem dicas interessantes para quem pretende se aventurar pelo interior da ilha.

A seguir…

No próximo post da série a gente vai visitar o Peloponeso, na Grécia Continental. E conhecer os micênicos, o povo que superou a civilização minóica e, segundo a lenda, venceu a famosa Guerra de Troia. Até lá!