A maior das nove ilhas é também a que concentra a maior parte da população. Dos 250 mil habitantes dos Açores, 140 mil vivem em São Miguel.

O contraste de azul com verde está por todo o lugar e é uma delícia simplesmente vagar de carro ao longo dos 64km de comprimento e 14km de largura da ilha.

sdr

É também o paraíso para quem gosta de trilhas. Só esse site mostra 25 opções, com diferentes graus de dificuldade.

Um roteiro por São Miguel sempre inclui banhos nas águas termais e visita a vulcões, por isso escrevi posts específicos sobre isso (links no final).

Aqui eu conto mais sobre a ilha: como ela está dividida, melhores lugares para ficar e o que visitar e fazer depois de já ter se divertido pelos famosos vulcões e banhos termais.

Como se localizar e onde ficar

A ilha está dividida em 6 Conselhos.

sao miguel concelhosFonte: Código Postal

 

Cada um deles está dividido em Freguesias.

A gente dividiu nossa estadia em dois lugares: nos primeiros 4 dias ficamos em Ponta Delgada, na freguesia de São Sebastião. É o centro histórico e principal área urbana da ilha.

Resolvemos ficar ali no começo em função da proximidade do aeroporto (são só 6 km, o táxi custou 7 euros) e do grande número de opções de hospedagem e restaurantes. Nós escolhemos esse apartamento, que recomendo muito.

Depois, já de carro, nos mudamos para o Concelho de Povoação, freguesia de Furnas. Fica do outro lado da ilha e é o melhor lugar para quem está em busca dos banhos termais.

São Sebastião (Ponta Delgada): o maior centro urbano

A imagem mais tradicional da ilha de São Miguel é essa, do monumento Portas da Cidade.

bty

Hoje elas são um elemento decorativo, localizado na Praça Gonçalo Velho Cabral e próximo à Igreja Matriz. Mas, entre sua construção, em 1783, até o início das obras para construção de uma grande avenida, em 1948, elas foram, de fato, a entrada da cidade.

Essa foto, do final do século XIX, mostra como elas eram em sua posição original.

528715_204545299650330_322748245_nFonte: Edição Postal, Papelaria Travassos

Em 1952, quando a Avenida Infante Dom Henrique ficou pronta, as portas foram colocadas no lugar onde estão hoje, a alguns metros de onde ficavam antes.

As obras daquela época resultaram em uma avenida larga, em uma orla moderna, com muito espaço para caminhar, correr e andar de bicicleta.

sdr

A cidade é muito simpática. Olha que coisa mais fofa essa micro-biblioteca, dentro de uma cabine telefônica.

dav

Ela  fica aberta de segunda à sexta, das 8h às 20h. Qualquer um pode pegar um livro emprestado, é só anotar seu nome e título do livro no caderno de registros que está ali dentro.

O acervo da biblioteca é formato por doações: quem quer contribuir deixa o(s) livro(s) dentro da cabine mesmo, numa caixa chamada “depósito de livros”.

dav

Quem quer ler, escolhe o livro, anota seu nome naquele caderninho e, depois de terminar, entrega de volta na cabine. Tudo muito simples e organizado.

Restaurantes

O mais tradicional do centro é A Tasca, que serve vários pratos com produtos típicos dos Açores, como os queijo de São Jorge e do Pico e o ananás de São Miguel.

As entradas são uma delícia. Eu comi o “Queijinho com Mel e Amêndoas” e adorei. E o prato principal mais tentador é o “Bife de Atum”, coberto por sementes de gergelim.

Mas o nosso preferido foi um restaurante bem mais popular, chamado Cervejaria Portas da Cidade. Comida caseira e atendimento feito pelo dono, um senhorzinho que nos contou do tempo em que ele era criança e que o ancoradouro era ali, bem atrás do restaurante.

Foi lá que ficamos sabendo sobre a história da construção da avenida e da remoção das portas e que vimos pela primeira vez uma imagem da cidade antiga.

dav

De entrada, comemos Ovos Mimosa, que são ovos cozidos e divididos ao meio. A gema é retirada, picada, misturada com maionese e salsa e, depois, recolocada. Simples e gostoso. Depois, o clássico bacalhau de natas.

Mas o nosso jantar mais especial foi em um lugarzinho chamado Casa do Bacalhau. Não tanto pelo jantar, mas porque assistimos pela primeira vez a um show de fado, em um ambiente bem intimista, em uma sala para pouco mais de 20 pessoas.

sdr

O fado, música popular portuguesa, é reconhecido pela UNESCO como Patrimônio Imaterial da Humanidade.

Na sua forma mais tradicional, o cantor ou a cantora, chamados de fadistas, são acompanhanhos por dois músicos. Um toca a guitarra portuguesa, que tem formato de pera. O outro, a viola de fado.

O show que assistimos foi ótimo. Foram três fadistas diferentes, que cantaram clássicos do gênero, como as alegres “Uma Casa Portuguesa” e “Lisboa Antiga” e a sofrida “Nem às Paredes Confesso”.

Essas e outras das minhas preferidas estão nessa playlist que criei para vocês.

Pra fechar a noite com chave de ouro comi uma sobremesa maravilhosa: um pudim de laranja delicioso, servido nesse pratinho decorado com uma guitarra portuguesa desenhada na canela.

mde

Ananás de São Miguel

E já que o assunto é comida: um dos grandes orgulhos dos micaelenses é o ananás.

É que o cultivo da fruta é feito de maneira tão tradicional, que passou a ser considerada um dos Produtos de Denominação Protegida dos Açores.

Quem está na ilha pode visitar uma plantação. Nós fomos na Augusto Arruda.

dav

Embora muita gente diga que ananás é uma coisa e abacaxi é outra, a fruta é a mesma. Ela é de origem sul-americana, e todas as variedades pertencem à espécieAnanas comosus (L.) Merrill.

Então, por que os dois nomes? Esse post do “Blog Joy” explica que ananás é palavra de origem guarani. E os espanhóis que levaram inicialmente a fruta para a Europa usaram esse termo.

Já abacaxi seria uma palavra de origem tupi, que acabou sendo a mais difundida no Brasil.

As caracteristicas peculiares do Ananás dos Açores / São Miguel, como a coroa pequena (entre 1/3 e 1/4 do comprimento do fruto) e o índice de acidez elevado, são resultado da sua técnica especial de produção, aplicada há quase 200 anos.

As plantações são dentro de estufas de vidro e seguem métodos tradicionais, como a aplicação de “fumos” para indução da floração.

sdr

Quem visita a plantação pode entrar nas estufas que mostram as diferentes etapas do processo.

No final do primeiro ano, as plantas estão assim.

dav

No começo do segundo, começa a fase de floração.

dav

E, na metada do segundo ano, começa a fase de corte:

dav

Além da Augusto Arruda, há outras plantações que podem ser visitadas. Esse artigo tem sites e endereços.

Baleias e golfinhos

Os Açores são um dos maiores santuários de baleias do mundo. Mais de 20 das 60 espécies existentes podem ser vistas na região, inclusive a baleia azul.

Ela é o maior animal do mundo e chega a ter 30 metros de comprimento e pesar 150 toneladas. Outros cetáceos também são comuns na região e é bem fácil avistar golfinhos. E, até mesmo, nadar com eles.

Na ilha de São Miguel, a maioria dos passeios para ver baleias e golfinhos sai de Ponta Delgada. Aqui tem uma lista de empresas especializadas.

Motivos pra ficar em Furnas (Povoação)

Do outro lado da ilha está a região que concentra a maioria dos banhos termais. Em Furnas mesmo ficam o Parque Terra Nostra e a Poça da Dona Beija, a pouco mais de 500 metros um do outro.

A cerca de 15 km dali estão também a praia de Ribeira Quente e a Caldeira Velha. Ou seja, 4 das 5 opções de banho termal estão nos arredores.

Outra vantagem de ficar ali é poder experimentar o tradicional Cozido das Furnas em vários restaurantes diferentes, já que todos preparam o prato nas fumarolas que ficam pertinho dali.

Eu gostei muito de ficar hospedada nessa região. No final desse texto está o outro post que escrevi sobre ela, que fala sobre as termas.

Outros Concelhos

Como a ilha é relativamente pequena, é possível visitar também os outros 4 Concelhos. Para ir de Ponta Delgada até Povoação, a gente passa por Lagoa e Vila Franca do Campo.

Em Lagoa, fomos ao Observatorio Vulcanológico e Geotérmico, que eu super recomendo. A visita é guiada e foi uma aula sobre vulcões, em que entendemos mais sobre toda aquela paisagem ao nosso redor.

Vila Franca do Campo foi a capital da ilha até 1522, quando tinha 5.000 habitantes, 25% da população de São Miguel na época. Nesse ano, um grande terremoto atingiu a região, o que provocou a mudança da capital para Ponta Delgada.

Algumas centenas de metros mar adentro fica o Ilhéu de Vila Franca, também conhecido como Anel de Princesa. Ele é a cratera de um antigo vulcão, com apenas uma abertura para o mar. Dependendo da maré, uma pequena praia se forma dentro dele.

O lugar ficou famoso quando passou a fazer parte do Circuito RedBull de Salto de Penhascos.

Esse site explica como ir até o Ilhéu no barco de turismo, que funciona entre junho e outubro.

Os outros dois Concelhos são Nordeste e Ribeira Grande. No Nordeste, paramos no farol do Arnel.

dig

Melhor dizendo, no estacionamento que fica no alto. Para descer até a ponta, lá onde estão os barquinhos, tem que ser à pé, numa caminhada de uns 30 minutos.

Para subir foi o dobro. 🙂

sdr

Na Ribeira Grande, fomos ao Museu da Emigração e visitamos a Rota dos Chás.

O museu teve um gostinho especial para mim, pois, além de brasileira, sou gaúcha. E os açorianos tiveram um papel bem importante na colonização do meu estado, o Rio Grande do Sul.

Em meados da década de 1740, a coroa portuguesa passou a promover a emigração de açorianos para povoar os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina no Brasil, que, naquela época, ainda era colônia.

Em 1752, sessenta casais açoarianos instalaram-se em um lugar chamado Porto de Viamão. A cidade cresceu, virou capital da capitania e passou a se chamar Porto Alegre. Essa cidade, onde vivi por quase 20 anos, é minha cidade do coração.

E confesso que me emocionei com essa visita aos antepassados no pequeno e encantador museu em Ribeira Grande, que, desde 1982, é cidade-irmã de Porto Alegre.

ribeira poa

Para quem quiser saber mais sobre o assunto, sugiro dois artigos: um sobre o povoamento do Rio Grande do Sul e outro sobre a migração de açorianos para o Brasil entre 1748 e 1756.

A Rota do Chá fica perto dali. O produto começou a ser cultivado nos Açores em torno de 1750, como planta ornamental. Foi só mais de 100 anos depois que os açorianos passaram a produzir chá para fins comerciais, seguindo métodos de cultivo chineses.

No final do século XIX, a produção era um négocio lucrativo e, no auge, os Açores chegaram a ter 14 fábricas. A mais antiga delas, a Gorreana, mantém sua operação até hoje.

dav

A outra fábrica que ainda existe é a Porto Formoso. Olha que rica plantação de chá com vista para o mar!

sdr

Quem estiver pelos Açores em maio pode assistir a “recriação da colheita tradicional“, evento produzido pela Porto Formoso para marcar a apanha das primeiras folhas da produção do ano.

Eu visitei as duas fábricas e gostei delas de maneiras diferentes. A Gorreana é mais simples, a gente chega e fica à vontade, circulando entre as máquinas e uma sala espaçosa, onde o chá está disponível para todos.

A Porto Formoso, depois de duas décadas fechadas, foi reaberta pelos novos donos em 2001. Ela é mais estruturada, moderna e, nitidamente, está investindo em marketing. A consequência é uma visita mais organizada, com vídeos bem produzidos e uma sala de degustação com ar de restaurante.

dav

São diferentes, difícil comparar. Então sugiro uma paradinha rápida em cada uma. Elas ficam a menos de 3 km uma da outra.

Quando ir a São Miguel

Em termos de clima, qualquer época é mais ou menos igual. A temperatura média fica em torno de 15 graus no inverno e 22 graus no verão.

É comum ter chuva e sol no mesmo dias, os micaelenses brincam que lá tem quatro estações em um dia só.

Eu fui no inverno, e estava bem agradável. A única coisa que não pude fazer em função da época foi visitar o Ilhéu de Vila Franca. O barco só funciona no verão.

Para saber mais

O post que mais me ajudou a organizar os passeios quando eu estava lá foi esse (em inglês), do blog GeekExplorer, escrito pelo Bruno, que é açoriano. É o roteiro de 4 dias que ele usa para mostrar São Miguel para seus amigos que visitam a ilha.

E aqui estão os links dos outros posts que escrevi sobre os Açores: