Mar em muitos tons de azul e água morninha é o que atrai milhões de turistas para as ilhas Baleares todos os verões. As ilhas mais famosas são Ibiza e Mallorca (ou Maiorca), mas o arquipélago conta também com outras duas ilhas grandes, Menorca e Formentera, e várias ilhas menores.

Nesse post eu te conto um pouquinho sobre as quatro maiores ilhas e o que fazer para aproveitar o melhor de cada uma delas.

As Ilhas Baleares

O arquipélago fica no mar Mediterrâneo, ao sul de Barcelona, e é uma das 17 comunidades autônomas da Espanha.

São dois grupos de ilhas, um mais ao norte, onde ficam Mallorca e Menorca, e outro mais ao sul, onde ficam Ibiza e Formentera.

Ao longo do tempo, as ilhas já foram ocupadas por cartagineses, romanos, vândalos, bizantinos, árabes, britânicos e franceses, que deixaram seus vestígios por lá.

Os espanhóis chegaram em 1229, em um tempo em que a Espanha ainda estava dividida em vários reinos. E foi o rei de Aragão, Jaime I, que governava o território que  hoje é a Catalunha, o conquistador das ilhas. Por isso, um dos idiomas oficiais do arquipélago é, até hoje, o catalão (o outro é o castelhano).

Atualmente, a capital do arquipélago é a cidade de Palma. Ela fica em Mallorca e foi fundada pelos romanos no ano 123 A.C..

Mallorca: a ilha que tem um pouco de tudo

Mallorca é uma ilha grande, com 100 km de extensão de leste a oeste e 75 km de norte a sul. E dá para passar muitas semanas lá, porque, além de praias, tem várias opções de roteiro para quem gosta de mar, serra, esportes, história ou arte. E até de vinhos.

As melhores praias ficam no leste e sul da ilha. Algumas delas são extensas, com 3 a 4 km de areia, mas a maioria delas são calas, pequenas enseadas cercadas por rochas.

Tem opção pra todos os gostos, desde praias com uma super estrutura turística até as desertas, onde só se chega a pé ou de barco.

Já quem quer explorar a montanha pode pegar o trem de Palma para Sóller e apreciar as vistas da Serra de Tramuntana,  que se estende pela costa noroeste da ilha. Ou, ainda, alugar um carro e percorrer toda a montanha, indo de Andratx a Cap de Formentor.

Para os esportistas, outra opção de transporte na região é a bicicleta. Mallorca é o paraíso dos ciclistas e todo ano acontece por lá uma competição que atrai os melhores atletas da Europa. Para saber mais sobre o Mallorca 312, clique aqui.

Já para quem gosta de arte e cultura, os destaques são a catedral gótica de Palma e a Fundação Pilar e Joan Miró, pertinho de Palma. Mas há muitos outros eventos e festivais acontecendo regularmente por toda a ilha.

Apaixonados por história vão gostar de visitar Ses Paisses, onde podem ser vistos os talayots, torres construídas há mais de 3.000 anos. Ou as ruínas de Pollèntia, a principal cidade do Império Romano em Mallorca. Ou, ainda, cidades medievais, como Alcúdia, Capdepera e Àrta.

E quem gosta de vinhos, vai poder experimentar as duas D.O.s (denominações de origem) da ilha: Binissalem e Pla I Llevant. A característica comum é que as uvas nessas regiões crescem em solo rico em calcário e argila. Para saber mais sobre isso leia esse post do blog Cellar Tours.

Prepara-se para ouvir alemão por todo o lado. Mallorca é conhecida como “a ilha dos alemães”, pois eles representam quase 50% dos turistas que visitam a ilha a cada ano.

Menorca: requinte

Menorca tem esse nome exatamente por ser menor do que Mallorca, tem apenas 20% do seu tamanho. São 47 km de norte a sul e 17 km de leste a oeste.

E dá para fazer toda a volta na ilha caminhando, por uma trilha chamada Caminho dos Cavalos (Camí de Cavalls), que tem 185 quilômetros. O blog Menorca Diferente dá todas as dicas para quiser se aventurar.

Suas praias, assim como as de Mallorca, são espetaculares. Em uma trilha de 3,5 km é possível conhecer três das mais famosas: Cala Turqueta, Son Saura e Macarella.

Em outra trilha, de apenas 1,3 km, é possível conhecer outras duas, Cala Mitjaneta e Cala Mitjana.  Para saber mais sobre isso, leai esse post do DescobreixMenorca.

Menorca é considerada pela UNESCO como Reserva da Biosfera. Sua vegetação e vida animal é a mais preservada do arquipélago. A zona central da reserva é o Parque Natural S’Albufera des Grau.

Durante a maior parte do século XVIII, Menorca, ao contrário das outras ilhas, esteve sob controle britânico e francês. É dessa época a estrada que liga as duas maiores cidades da ilha, Ciutadella, a antiga capital, e Mahón, a capital nos dias de hoje. Para saber mais sobre história e cultura na ilha, leia esse artigo do jornal Independent.

Hoje a pequena Menorca tem toques de requinte. Como o bar Cova D’en Xoroi, que fica em grutas, na beira do mar.

Ou o restaurante Mon, do chef Felip Llufriu, que ganhou uma estrela Michelin quando trabalhava no restaurante Moo, em Barcelona.

Ou, ainda, a vínicola Binifadet, que produz também espumantes, com seu charmosíssimo restaurante.

Ibiza: agito

Essa ilha é um pouco menor do que Menorca. Tem uma área total de 571 km2. Ela é famosa por suas festas e vida noturna: a maioria dos grandes clubs europeus tem também uma casa por lá.

Esse post do blog The Culture Trip fala de algumas das baladas que fizeram (e ainda fazem) a fama da ilha. E esse outro post fala de alguns Beach Clubs – outra marca registrada de Ibiza.

Em outra categoria de agito, a ilha também tem vários feiras hippies ao ar livre, nas quais é comum assistir shows de música ao vivo. Alguns exemplos são o Hippy Market Punta Arabí, em Santa Eulalia, que existe desde 1973, e o Las Dalias, que acontece desde 1954, a 5 km dali.

Mas nem só de festa e música vive Ibiza. A ilha tem uma natureza exuberante, como pode ser comprovado em uma caminhada até o topo de Sa Talaia, o lugar mais alto da ilha, ou simplesmente relaxando em uma das muitas praias. Esse post do blog Espanha Total lista dez das praias mais bonitas e mostra sua localização em um mapa.

Querendo dá ainda para explorar cavernas formadas pela água ou se divertir com passeios de caiaque, mergulhos de snorkel, aulas de stand-up paddle e todas as outras modas que surgem a cada ano.

E Ibiza também é rica em história. Como se pode ver na cidade antiga (Dalt Vila), com suas ruas estreitas e uma catedral que tem uma escadaria linda. Perto dali fica Puig des Molin, que é uma antiga necrópole, do tempo em que os fenícios tinham um assentamento por lá (século VII A.C.).

Formentera: sossego

É a menor das 4 ilhas, tem apenas 19 km de extensão de norte a sul e 6km de leste a oeste. O único jeito de chegar lá é de barco, pois a ilha não tem aeroporto.

Os pontos de partida são Ibiza, de onde se pode pegar o ferry ou um taxi-boat, ou a Espanha continental, com barcos saindo de Denia e Gandia (Valencia).

Formentera tem as praias mais intocadas do arquipélago e é o lugar perfeito para quem quer relaxar, longe da badalação. As praias mais famosas, mas ainda assim com espaço livre na areia branca, são Migjorn, Illetes e Llevant. A estrutura turística é pouca, então leve tudo o que for precisar.

Dizem que a aura dos anos 60 e 70 ainda está pela ilha, fazendo com que a gente lembre de seus visitantes famosos, como Bob Dylan, Jimi Hendrix e Roger Waters (Pink Floyd). Especialmente ao encontrar os hippies que frequentam a praça central da capital da ilha, Sant Francesc. Esse artigo da Condé Nast fala mais sobre isso.

Essa é a ilha preferida dos italianos, que chegam a ser 75% dos turistas que visitam Formentera, especialmente nos meses de julho e agosto.

Como chegar e se movimentar pelas Baleares

Chegar é fácil. Tem vôo direto para Mallorca, Menorca e Ibiza de várias capitais europeias, e o número de vôos aumenta exponencialmente durante a alta temporada (maio a setembro).

Além disso, há barcos a partir de algumas cidades espanholas (Barcelona, Valencia/Gandia e Denia).

Para se movimentar nas ilhas, o melhor é alugar um carro. Existe transporte público, mas ele não é muito regular nem frequente. E, em função das muitas paradas, pode ser também bem lento. Formentera, por ser pequena, pode ser visitada de bicicleta ou scooter.

Outra opção para quem não quer usar carro é ir para Mallorca, que tem uma super estrutrura turística. Quem se hospeda em Palma, por exemplo, tem bastante para ver e fazer na cidade, que oferece uma linha de ônibus turístico que facilita a movimentação. Aqui tem um exemplo (outras empresas oferecem passeios similares).

Eu queria ficar em um lugar mais tranquilo e, por isso, escolhi a praia de Cala Millor, a 80 km de Palma. Chegar lá foi fácil, pois o preço do hotel incluia transfer a partir do aeroporto.

De Cala Millor, assim como de outras várias praias ao redor da ilha, é possível contratar pacotes turísticos que te levam para passar o dia em Palma, para visitar outras regiões da ilha ou, até mesmo, para dar uma volta de barco por outras praias e ilhas.

Já para se movimentar entre as ilhas, as opções são barco e avião.

Eu sugiro avião para quem estiver planejando ir das ilhas do norte (Mallorca e Menorca) para as ilhas do sul (Ibiza e Formentera). O vôo entre Mallorca e Ibiza leva 40 minutos, enquanto que o mesmo trajeto de barco leva em torno de 3h30 min.

Já para se movimentar entre Mallorca e Menorca, barco também é uma opção interessante. As empresas que fazem a viagem entre as ilhas (e também para o continente) são a Transmediterránea e a Balearia.

Para finalizar, uma dica sobre a hospedagem. Todas as ilhas tem várias cidades e pode ser bem difícil escolher uma entre tantas opções (eu passei trabalho até decidir onde ficar em Mallorca).

Mas o blog Espanha Total te ajuda a escolher, considerando os interesses de cada tipo de visitante. Confira as dicas deles de onde ficar em Mallorca, Menorca e Ibiza.