O império começa com a coroação de Carlos Magno, que já era o Rei dos Francos e dos Lombardos,  como Imperador do Sacro Império Romano-Germânico. A coroação de Carlos pelo Papa Leão III, no ano 800, representou a restauração do Império Romano no Ocidente, e uma estabilidade na Europa que não se via desde o fim do império romano. O Imperador entraria na história como Carlos, o Grande.

O império Carolíngio está na gênese dos processos de constituição da sociedade feudal e foi responsável pela expansão do cristianismo na Europa.

O Sacro Império Romano-Germânico, sob diferentes formatos e dinastias, sobreviveu até o ano de 1806, na Europa Central e no norte da Europa. No seu auge, incluiu os atuais territórios da Alemanha, Áustria, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, República Tcheca e República Eslovaca, além da Eslovênia, leste da França, norte da Itália e oeste da Polônia.